radio
Telefonia do Alentejo

Crédito Agrícola com resultado positivo de 46,9 milhões de euros em junho de 2017

Autor :Nota de imprensa

Fonte: Crédito Agrícola

30 Agosto 2017

PRINCIPAIS DESTAQUES

· A economia portuguesa cresce ao ritmo mais elevado dos últimos 17 anos, mas, apesar desta expansão do produto interno bruto (PIB), o processo de redução de alavancagem por parte de agentes económicos públicos e privados e a escassez de investimento produtivo têm vindo a condicionar a procura de crédito com reflexo no sistema bancário como um todo.
· Neste contexto, no primeiro semestre de 2017, o Grupo Crédito Agrícola apresentou um resultado líquido consolidado de 46,9 milhões de euros, para o qual o negócio bancário (SICAM) contribuiu com 43,6 milhões de euros (+ 90% face ao período homólogo).
· Em 30 de junho de 2017, a carteira de crédito (bruto) a clientes do Grupo Crédito Agrícola ascendeu a 9,017 mil milhões de euros, uma variação positiva de 5,7% nos últimos 12 meses que contrasta com a variação negativa de 3,8% registada pelo conjunto das instituições financeiras em Portugal para o mesmo período. A evolução positiva nas variáveis-chave de actividade bancária esteve associada a uma dinâmica muito positiva do Crédito Agrícola em todas as áreas de negócio.
· Com referência a 30 de junho de 2016 e de acordo com as regras CRD IV/CRR phased-in a que se encontra sujeito, o Grupo Crédito Agrícola apresenta um confortável nível de solvabilidade consubstanciado pelo rácio common equity tier 1 (CET1) de 13,06%, valor francamente superior aos níveis mínimos recomendados.

DESEMPENHO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA NO 1º SEMESTRE DE 2016

· No primeiro semestre de 2017, o Grupo Crédito Agrícola apresentou um resultado líquido consolidado de 46,9 milhões de euros para o qual o negócio bancário (SICAM) contribuiu com 43,6 milhões de euros (+ 90% face ao período homólogo).
· Em 30 de junho de 2017, a carteira de crédito (bruto) a clientes do Grupo Crédito Agrícola ascendeu a 9,017 mil milhões de euros, uma variação positiva de 5,7% nos últimos 12 meses que contrasta com a variação negativa de 3,8% registada pelo conjunto das instituições financeiras em Portugal para o mesmo período. Este facto terá contribuído para o reforço de quota de mercado do Grupo Crédito Agrícola num movimento que se verifica nos últimos 6 anos consecutivos.
· Em junho de 2017, os recursos de clientes sob a forma de depósitos bancários totalizaram 11,9 mil milhões de euros, evidenciando um crescimento, em termos homólogos, de 7,3% correspondente a 815 milhões de euros. Este aumento de recursos contribuiu para o aumento do rácio de transformação que, no final do período, ascendia a 70,0%, ainda assim significativamente abaixo do limiar máximo de transformação recomendado (120%).
· A evolução positiva nas variáveis-chave de atividade bancária esteve associada a uma dinâmica muito positiva do Crédito Agrícola em todas as áreas de negócio.
· Em termos de qualidade da carteira de crédito do Grupo Crédito Agrícola, o rácio de crédito vencido há mais de 90 dias em Junho de 2017 situou-se nos 5,9% e o rácio de crédito em risco (segundo instrução 24/2012 do Banco de Portugal) fixou-se em 9,1%.
· O Grupo tem vindo a dar continuidade a uma gestão sã e prudente, reflectida num total de imparidades acumuladas a Junho de 2017 de 674 milhões de euros, valor que confere um folgado nível de cobertura do crédito vencido de 122,5%.
· Em termos de composição do produto bancário, a margem financeira aumentou 2,5 milhões de euros em termos homólogos (+ 1,5%), fruto do crescimento da carteira de crédito e do ajustamento na remuneração dos depósitos de clientes. Complementarmente, as comissões líquidas e a margem técnica do negócio segurador registaram variações homólogas de +4,8 milhões de euros (+11,8%) e de -0,2 milhões de euros (-2,6%), respetivamente.
· A rentabilidade alcançada pelo Grupo Crédito Agrícola a Junho de 2017 (+7,2% de ROE) espelha os resultados positivos conseguidos nas diferentes componentes do Grupo (Caixas Agrícolas, Caixa Central, companhias de seguros vida e não vida e gestão de activos e fundos de investimento), sendo de assinalar os contributos positivos de 4,3 milhões de euros da CA Vida, de 2,1 milhões de euros da CA Seguros e de 0,1 milhões de euros da CA Gest.
· Nos primeiros 6 meses de 2017, os resultados registados nos veículos de desinvestimento imobiliário (nomeadamente via desvalorização de unidades de participação) penalizaram os resultados consolidados em 11,0 milhões de euros.
· Com referência a 30 de Junho de 2017 e de acordo com as regras CRD IV/CRR phased-in a que se encontra sujeito, o Grupo Crédito Agrícola apresenta um confortável nível de solvabilidade consubstanciado pelo rácio common equity tier 1 (CET1) de 13,06%, valor francamente superior aos níveis mínimos recomendados.

OUTROS ASPETOS RELEVANTES DA ATIVIDADE

· O Crédito Agrícola, único banco a operar em Portugal filiado no setor bancário cooperativo europeu (que integra alguns dos maiores bancos mundiais), é um Grupo de referência no sistema bancário português, com capitais exclusivamente nacionais, do qual fazem parte um conjunto de empresas financeiras, entre as quais as seguradoras CA Vida e CA Seguros, e que apresenta uma oferta universal de produtos e serviços financeiros e de protecção.
· O Grupo CA, através da implementação de uma estratégia coordenada entre os 82 bancos regionais que o compõem, prossegue empenhado em dinamizar a economia das cidades e vilas e em contribuir para a coesão social e territorial de Portugal.
· Fruto da sua missão de desenvolvimento regional e da sua vocação de banco de proximidade, o Grupo CA apresenta atualmente a maior rede bancária em Portugal com 670 agências tendo, em termos líquidos, reduzido apenas 5 agências nos últimos 12 meses.

OPINIÓN DE NUESTROS LECTORES

Da tu opinión

Incorrecto intentelo de nuevo
NOTA: Las opiniones sobre las noticias no serán publicadas inmediatamente, quedarán pendientes de validación por parte de un administrador del periódico.

NORMAS DE USO

1. Se debe mantener un lenguaje respetuoso, evitando palabras o contenido abusivo, amenazador u obsceno.

2. www.radiotelefoniadoalentejo.com.pt se reserva el derecho a suprimir o editar comentarios.

3. Las opiniones publicadas en este espacio corresponden a las de los usuarios y no a www.radiotelefoniadoalentejo.com.pt

4. Al enviar un mensaje el autor del mismo acepta las normas de uso.