A Universidade de Évora (UÉ) vai atribuir o Doutoramento Honoris Causa ao artista plástico Ai Weiwei, numa cerimónia agendada para o dia 04 de outubro de 2023, pelas 11 horas, na sala dos Actos do Colégio Espírito Santo da UÉ. O discurso laudatório está a cargo de Paul Dujardin, historiador de arte, diretor-geral do BOZAR em Bruxelas, entre 2002 e 2021, que é patrono da distinção.

A Universidade de Évora justifica a outorga, considerando Ai Weiwei, que escolheu Portugal para residir, mais concretamente a cidade de Montemor-o-Novo, “uma das figuras culturais mais destacada da sua geração e um símbolo da liberdade de expressão tanto na China como internacionalmente”. (…) Para além de artista, é um pensador e ativista. A sua prática artística aborda questões prementes como a sustentabilidade, os direitos humanos e o fenómeno global da migração”, sublinha-se na propositura.

Ai Weiwei, nasceu em Pequim, China, em 1957. Lidera uma prática diversificada e prolífica que abrange instalação escultórica, cinema, fotografia, cerâmica, pintura, escrita e redes sociais. Artista conceptual que funde o artesanato tradicional e a sua herança chinesa, Ai Weiwei move-se livremente entre uma variedade de linguagens formais para refletir sobre a condição geopolítica e sociopolítica contemporânea. O trabalho e a vida de Ai Weiwei interagem regularmente e informam-se mutuamente, muitas vezes estendendo-se ao seu ativismo e defesa dos direitos humanos internacionais.

Ai Weiwei expôs em instituições e bienais em todo o mundo, incluindo no Design Museum, Londres (2023); Albertina Moderna, Viena (2022); Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Porto (2021); Kunstsammlung Nordrhein-Westfalen, Düsseldorf (2019); Oca – Parque Ibirapuera, São Paulo (2018); Fundo de Arte Pública, Nova York (2017); Museu de Israel, Jerusalém (2017); Palazzo Strozzi, Florença (2016); Museu Andy Warhol, Pittsburgh (2016); Galeria Nacional de Victoria, Melbourne (2015); Royal Academy of Arts, Londres (2015); Martin-Gropius-Bau, Berlim (2014); Museu do Brooklyn, Nova York (2014); Pavilhão Alemão, 55ª Bienal de Veneza, Veneza (2013); Museu e Jardim de Esculturas Hirshhorn, Washington DC (2012); Museu de Belas Artes de Taipei, Taipei (2011); Turbine Hall, Tate Modern, Londres (2010); Haus der Kunst, Munique (2009); Museu de Arte Mori, Tóquio (2009); documentação 12, Kassel (2007); e Kunsthalle Bern, Berna (2004). O livro de memórias do artista 1000 anos de alegrias e tristezas foi publicado em 2021.

Fonte: Nota de Imprensa / Universidade de Évora

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, introduza o seu comentário!
Please enter your name here